Aprenda a se proteger das picadas de insetos no verão
04/01/2013

O verão brasileiro traz consigo o calor, a temporada de festas, férias e muita diversão. Mas nesta época do ano, alguns convidados indesejáveis costumam pegar carona nas altas temperaturas só para estragar a festa: os insetos. A boa notícia, porém, é que algumas precauções simples podem dar fim à interferência destes penetras e garantir um fim de ano tranquilo, sem picadas.

Contra borrachudos e pernilongos, não há receita milagrosa, mas sim, repelente. É o que garante Carolina Marçon, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). E algumas formulações especiais podem acabar de vez com o problema. “Repelentes com dietiltoluamida (DEET) são mais eficientes, pois interferem nos receptores sensoriais dos insetos, inibindo sua tentativa de se alimentar do sangue”, explica.

Ainda como forma de prevenção, muitos inseticidas podem servir de arma contra os insetos sem agredir as pessoas. O ideal, segundo a dermatologista, é apostar nos modelos que não oferecem contato direto com a pele, como as versões plugadas em tomadas, em detrimentos dos sprays. “Inseticidas em aerossol podem causar alergias e dores de cabeça a pessoas sensíveis à formulação”, diz.

Produtos à base de citronela também são uma boa pedida, pois afastam os insetos sem provocar riscos à saúde. O segredo da plantinha está em seu óleo essencial, rico em geraniol e citronelal, substâncias responsáveis por exalar o perfume que põe fim às picadas.

Mito
Para os fãs de vitamina B12 fica a resposta: não, eles não funcionam. Um estudo publicado em 2005 pelo Journal of the American Mosquito Control Association, chegou a essa conclusão após testes com um grupo de participantes que usaram suplementos de vitamina B todos os dias por oito semanas, contra outros grupos que não usaram o recurso. Ainda que a atratividade dos diferentes participantes para os mosquitos variasse, não houve indícios de que a vitamina B ajudasse em qualquer coisa.

Vale lembrar que é preciso orientação médica para a administração sintética (via comprimidos) de suplementos vitamínicos, já que nem todos os organismos respondem da mesma forma.

Remédio
Para quem não conseguiu evitar a picada, a solução é passar pomadas e evitar as coceiras, para não causar feridas na região. “Alérgicos precisam passar pomadas anti-inflamatórias e ir ao médico em casos mais graves, para tratamento via oral”, diz Carolina.

>>> LEIA TAMBÉM: Dermatites por animais e plantas em ambientes rurais e nas praias

Fonte: Terra Notícias

Compartilhe este post!

Post by admin

Posts Relacionados