Quais são as causas da espinha interna? Descubra quais são os melhores tratamentos para acne
26/12/2017

Espinhas internas causam um certo incômodo e uma de suas maiores causas é a alta produção de sebo das glândulas sebáceas

Elas são palpáveis, doloridas e, muitas vezes, evoluem para um certo inchaço: as espinhas internas levam esse nome porque não têm abertura, pus visível. As lesões podem ser de grau leve, apenas uma bolinha vermelha; ou avançado, tornando-se um cisto. Mas você sabe quais são os fatores capazes de desencadear essas espinhas?  A dermatologista Vanessa Metz, do Rio de Janeiro, explica. Veja só!


Entenda o que pode desencadear uma espinha interna

De acordo com a médica, “as espinhas internas são chamadas de pápulas eritematosas inflamatórias que não evoluem para pústula – pus visível. Elas podem até erupcionar com o tempo, mas, quando isso não acontece, ficam bastante doloridas”, afirmou. Assim como qualquer acne, podem surgir com o entupimento das glândulas sebáceas devido ao acúmulo de sebo. A diferença das demais é que esse excesso acaba obstruindo totalmente a pele, evitando a saída da inflamação.

Espinhas internas podem surgir em todos os tipos de pele, desde oleosa à seca

Embora seja mais comum em pessoas com tendência à oleosidade, essas lesões podem se desencadear em todos os tipos de pele. “Uma pápula eritematosa inflamatória pode ocorrer nas peles oleosa, mista e, isoladamente, na pele seca, que embora seja menos comum, acaba acontecendo após um trauma ou pela evolução de um cravo”, esclareceu.
A melhor forma de prevenir a espinha interna é com a limpeza da pele

Segundo a Dra. Vanessa, como a espinha é gerada pela alta produção de sebo, a melhor maneira de acabar com esse acúmulo é realizando uma boa limpeza do rosto. Uma das principais indicações é usar um sabonete específico para o seu tipo de pele e depois finalizar a etapa com um tônico adstringente. O tônico ajuda a contrair os poros, eliminar as impurezas e controlar a oleosidade da pele, evitando o surgimento da acne.

Um dermatologista pode indicar opções de produtos que controlem a oleosidade da pele e a produção de sebo, evitando as espinhas.
Conheça os cuidados e tratamentos que precisamos praticar com essas lesões

Em primeiro lugar, é importante não manipular de jeito nenhum a espinha. Essa atitude só vai piorar a inflamação e o inchaço. Por isso, a melhor forma de tratar a lesão é procurando um dermatologista, que, muitas vezes, pode indicar o uso de medicamentos via oral. “Quando não há erupção, o ideal é optar por medicamentos anti-inflamatórios, como os corticoides”, explicou Dra. Vanessa.

Fonte: DermaClub

Compartilhe este post!

Post by admin

Posts Relacionados