Estudo identifica associação entre psoríase, obesidade e dislipidemia em pacientes
11/04/2013

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), estudos recentes demonstram que a psoríase passou a ser definida como uma afecção inflamatória sistemática e autoimune que pode ter os seus sintomas alterados se atrelados a outros fatores, como obesidade e dislipidemia.

Diante desse cenário, a acadêmica do curso de Medicina da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Hannah Monteiro, realizou um estudo para identificar a associação da obesidade e da dislipidemia em pacientes com psoríase atendidos no ambulatório de dermatologia da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), localizado em Manaus.

O estudo intitulado ‘Psoríase, obesidade e dislipidemia: estudo da prevalência da associação em pacientes atendidos na Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD)’ foi desenvolvido de 2011 a 2012.

A pesquisa foi realizada com financiamento do Governo do Estado, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), por meio do Programa de Apoio à Iniciação Científica do Amazonas (Paic).

Dos 72 pacientes que participaram do estudo, 51 foram diagnosticados com dislipidemia – alteração no nível de gordura do corpo. “Observei que houve uma frequência de tabagismo, etilismo e sedentarismo nos pacientes com dislipidemia e obesidade, evidenciando que múltiplos fatores podem contribuir para a associação da obesidade com a psoríase”, disse a pesquisadora.

Exames físicos e laboratoriais

Monteiro informou que foi realizado um estudo descritivo e prospectivo. Para avaliar a associação entre obesidade, dislipidemia e psoríase foram realizados exames físicos com medida de peso, altura e circunferência abdominal.

“Solicitamos, ainda, um lipidiograma completo e os pacientes responderam a um questionário sobre os dados epidemiológicos, história patológica e hábitos relacionados ao estilo de vida que interferem diretamente no prognóstico das doenças”, informou a pesquisadora.

De acordo com a acadêmica, foi identificado que a obesidade interfere também no tempo médio de diagnóstico da psoríase, que passa a ser de cinco a oito anos, e pode estar associada ainda a outras doenças. “Quanto maior o tempo de evolução da psoríase, maior ocorrência de outras comorbidades”, disse.

FONTE: Agência FAPEAM

Compartilhe este post!

Post by admin

Posts Relacionados