Boas novas para os pacientes de psoríase
16/07/2012

[Fabrício Lamy]

Novos medicamentos efetivos para o controle da Psoríase vêm sendo desenvolvidos e lançados no mercado nos últimos anos, como há muito tempo não acontecia.

Enquanto as primeiras gerações de drogas contra a Psoríase – corticoides, coaltar, metotrexato, entre outros – atuam mais no controle dos sintomas, os novos medicamentos, chamados imunobiológicos, agem na fase inicial (causa) da doença, impedindo ou modulando a transmissão das diversas mensagens químicas que desencadeiam a inflamação e a descamação da pele. Diferente também das substâncias convencionais, cuja eficácia em geral é suspensa com a interrupção do uso, os medicamentos imunobiológicos propõem a manutenção da melhora da Psoríase, mesmo sem o emprego das substâncias por um período bem mais prolongado.

+ leia os pareceres enviados pela Sociedade Brasileira de Dermatologia a favor
da disponibilização de medicamentos para psoríase no SUS

Imunobiológicos são anticorpos humanos ou animais, modificados em laboratório, que agem sobre determinadas proteínas, eliminando ou impedindo o crescimento de células anormais. O leque desses medicamentos vem aumentando a cada ano, trazendo importantes avanços no tratamento de alguns tipos de câncer e de doenças inflamatórias, como a Psoríase.

Psoríase: novos tratamentos podem melhorar a vida dos pacientes. (Foto: www.sbd.org.br)

Indicadas apenas para casos moderados e graves ou de intolerância aos medicamentos e tratamentos tradicionais, drogas como infliximab, etanercept, adalimumabe e ustequinumabe (todos já disponíveis para os pacientes de psoríase no Brasil ) são ministradas de duas maneiras: infusão intravenosa ou injeção subcutânea. Nesse último caso o próprio paciente pode aplicar o medicamento em casa, semanal ou quinzenalmente e, em alguns casos, até de 2/2, 3/3 meses.

Novidades apresentadas no último Congresso Mundial de Psoríase, em Estocolmo – Suécia, no mês passado, preveem para os próximos 2 anos o lançamento de um medicamento imunobiológico para ser administrado por via oral, o que vai facilitar muito o uso da medicação pelo paciente de psoríase, e outro que vai agir numa das células, recentemente descobertas, mais relacionadas com a formação das placas de psoríase, os linfócitos da linhagem Th17.

Se você tem Psoríase, procure um Dermatologista e saiba como melhorar muito sua qualidade de vida!

Fabrício Lamy

Dr. Fabrício Lamy

Membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)
Professor de Dermatologia do Instituto de Pos-Graduação Medica Carlos Chagas/ Serviço de Dermatologia da Policlinica Geral do Rio de Janeiro

Compartilhe este post!

Post by admin

Posts Relacionados