Acne neonatal: três dados que você precisa saber sobre espinhas em bebê
18/09/2013

Um em cada dez recém-nascidos sofre com a acne neonatal entre a terceira e quarta semanas de vida. O problema é simples, mas deixa qualquer mãe preocupada. O que fazer? Como tratar? O médico Omar Lupi, do Instituto Protetores da Pele (IPP) e um dos autores do livro “Doutor, eu tenho… Espinhas”, explica que o surgimento acontece quando a criança tem predisposição genética. A notícia boa é que se tratada, a acne neonatal desaparece em quatro ou cinco semanas. Confira abaixo três dados que você precisa saber sobre o problema.

Acne no bebê tem a ver com o leite materno?

“Não tem a ver com a qualidade do leite materno”, explica Omar Lupi. O surgimento da acne é comum e ocorre normalmente entre a terceira e a quarta semanas de vida da criança, podendo perdurar até os seis meses. “Surge devido à predisposição genética, após os hormônios maternos serem liberados durante a gestação e no estágio pós-parto. Esse tipo de quadro provoca o surgimento de espinhas e pequenos cravos, mas não é aconselhável espremê-los, pois não são graves e não deixam cicatrizes“, afirma o dermatologista. Normalmente, os cravos são pretos ou brancos e as espinhas são avermelhadas e podem desaparecer facilmente.

Quais são diferenças entre a acne e a miliária?

Dezenas de pontinhos avermelhados ou da cor da pele espalhados pelo corpo do bebê: essa é a miliária, também conhecida como brotoeja, que surge devido à obstrução dos canais que levam o suor das glândulas sudoríparas até a pele.

A miliária é mais comum em locais de clima úmido e quente. A pele da área afetada fica áspera, com pequenas bolinhas que podem ser avermelhadas ou da cor da pele. Costuma ser mais comum em áreas da pele onde o suor é mais intenso, como pescoço, embaixo do braço, rosto e mãos”, diz o especialista. Já a acne se restringe ao rosto e as costas: “Para diferenciar uma da outra, é só observar de perto. A acne vem acompanhada de pontos de cravos”, ensina Lupi.

Qual é o tratamento para a acne neonatal?

Se não for tratada, a espinha pode permanecer no rosto do bebê por meses mas o tratamento é simples. “Recomenda-se o uso de sabonete infantil e de um pano macio para limpar a pele. Também não é recomendado esfregar o rosto da criança e o uso de hidratantes“, salienta Omar Lupi. Mesmo desaparecendo com facilidade, é importante ficar atenta às alterações na pele do bebê. “Se aparecerem bolhas ou espinhas com pus, é um alerta. O bebê deve ser examinado”, finaliza Omar.

 

FONTE: GN1

Compartilhe este post!

Post by admin

Posts Relacionados